Receba nossas notícias em seu e-mail:

TST mantém nulidade de rescisão de contrato de aposentado por invalidez

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

TST mantém nulidade de rescisão de contrato de aposentado por invalidez

(Notícias do TST)

Um ex-empregado da Arrepar Participações S.A, aposentado por invalidez, não precisará rescindir o contrato de trabalho firmado com a refinadora paulista depois do fechamento da unidade de Limeira, onde trabalhava. A Sexta Turma do Tribunal Superior do Trabalho não conheceu de recurso da empresa e confirmou o posicionamento do Tribunal Regional do Trabalho da 15ª Região (Campinas/SP), que entendeu ser lícita a recusa do empregado em rescindir o contrato.

A empresa ajuizou ação de consignação de pagamento na Vara do Trabalho de Limeira alegando que, com o encerramento das atividades em Limeira, pretendia rescindir o contrato de trabalho com o empregado, aposentado por invalidez há mais de 11 anos. O empregado e o sindicato da categoria, porém, não homologaram a rescisão. O trabalhador, por sua vez, contestou que seu contrato estaria suspenso em função da aposentadoria e não poderia ser rescindido.

A sentença foi favorável ao empregado. O juiz assinalou que a CLT (artigo 475) define que a aposentadoria por invalidez não rescinde o contrato, apenas o suspende, e remete para a legislação previdenciária o prazo de suspensão. A Lei nº 8.213/1991 (Previdência Social), por sua vez, define que a aposentadoria por invalidez é sempre precária e pode ser cancelada a qualquer momento, ao ser verificada novamente a aptidão para o trabalho.

O mesmo entendimento foi mantido pelo Tribunal Regional do Trabalho da 15ª Região (Campinas/SP). “Enquanto não convertida a aposentadoria por invalidez em definitiva, ou seja cancelada, não poderá a empresa proceder à rescisão do contrato de trabalho”, afirmou o Regional. A decisão afastou também a alegação de fechamento da unidade, pois o grupo econômico continua existindo, “e será responsável pelo destino que o contrato de trabalho vier a ter”.

No recurso de revista ao TST, a Arrepar insistiu na tese de que, com o encerramento das atividades em Limeira, não se trata mais de suspensão do contrato, ainda que haja filial em outros locais. Mencionando o artigo 475 da CLT, o artigo 47, inciso I, da Lei da Previdência Social e a Súmula 160 do TST, entre outros dispositivos, afirmou que o empregado teria o prazo de cinco anos para retornar a sua função, após o qual a empresa teria o direito de rescindir o contrato.

A relatora do recurso, ministra Kátia Magalhães Arruda, porém, afastou as alegações de violação de lei e da jurisprudência, pois nenhum deles trata de todas as particularidades do tema, “pois não disciplinam a possibilidade de rescisão do contrato no caso de extinção da unidade de trabalho do empregado”.

Fonte : TST
———————————–
Comentário da Zê: Decisão judicial pode sair qualquer coisa, né? Mesmo a Súmula 160 do TST sendo clara quando diz que a empresa pode rescindir e indenizar, a decisão acima foi contrária, já que a empresa ainda tinha filiais, onde poderia manter o contrato do empregado. Muitas pessoas me mandam e-mail perguntando se pode demitir e eu sempre citava a súmula 160. Agora a conversa é outra: mantenha o contrato. Caso a empresa esteja em vias de fechar – caso não haja filial onde o empregado poderá ter o seu emprego assegurado – o que recomendo é comunicar ao empregado do fechamento da empresa e que ao terminar a sua aposentadoria por invalidez a empresa o indenizará, já que não haverá mais atividades.

Deixe um comentário