Receba nossas notícias em seu e-mail:

Terceirização e o Direito do Trabalho

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
direito do Trabalho

Muitos de vocês já sabem sobre a Terceirização e o Direito do Trabalho. Mas é sempre bom aprofundar um pouco mais neste assunto, não é mesmo? Até porque, hoje em dia, são muitas as empresas que terceirizam vários de seus serviços.

E para quem ainda tem dúvidas vamos ressaltar que a terceirização surgiu como uma das maneiras de deixar mais dinâmicos e especializados os serviços nas empresas.

Terceirização e o Direito do Trabalho.

A terceirização é quando a empresa, em vez de executar os serviços diretamente com seus empregados, contrata outra empresa e todo seu pessoal para executar estes serviços. A responsabilidade por essa execução das tarefas passa a ser da terceirizada.

O empregado é contratado pela empresa intermediadora (empregadora), mas presta serviços em outro local (empresa tomadora). Esclarecido esse conceito do que é terceirização, vamos prosseguir pontuando os reflexos dela no Direito do Trabalho.

Terceirização: reforma trabalhista prevê terceirizar as atividades-fim numa empresa

Antes de 2017, apesar da terceirização já existir no dia-a-dia das empresas, não havia legislação regulamentando a terceirização de serviços. Portanto, para suprir essa ausência o TST (Tribunal Superior do Trabalho) passou a regulamentar o tema em sua súmula 331.

E, de acordo com ela, o empregador que desejasse terceirizar serviços em sua empresa precisaria observar alguns requisitos, tais como: ausência de pessoalidade e subordinação; atividades secundárias da empresa, entre outros.

A partir de março de 2017, a Lei Federal 13.429 é promulgada e passar a regulamentar e disciplinar o trabalho temporário e a terceirização. Mas uma das falhas na elaboração do texto dessa lei levou às muitas discussões e inseguranças jurídicas.

Isso porque, ao ser regulamentada a Lei 13.429 não restringiu os serviços passíveis de terceirização apenas as atividades-meio da empresa, o que deu brechas para a interpretação de que estava autorizada a terceirização das atividades-fim numa empresa.

Diante dessas incertezas quanto à terceirização de serviços, a Reforma Trabalhista chega para cumprir essa função de esclarecer e colocar um ponto final na discussão ampliando o amparo jurídico para as terceirizadas e para os tomadores de serviços.

A Lei Federal 3.467/17 (Reforma Trabalhista) alterou novamente a redação da lei anteriormente citada nesse artigo para prever expressamente a possibilidade de terceirizar, sim, profissionais capacitados para as atividades-fim da empresa empregadora.

Terceirização: a contratação será dos serviços, e não de pessoas

direito do Trabalho

É importante ressaltar aqui, nesse artigo, que mesmo a Reforma Trabalhista tendo assegurado a possibilidade legal de terceirizar serviços para as atividades-fim continua sendo expressamente proibido vínculo empregatício.

Ou seja, a terceirização segue exigindo que haja a ausência de pessoalidade e de subordinação à empresa contratante. Entenda que a terceirização é de serviços. A empresa contrata o serviço que será prestado, e não a pessoa que executa esse serviço.

Caso essa ressalva não seja respeitada, a Justiça do Trabalho irá considerar que há vínculo direto entre contratante e terceirizado, o que pode gerar várias punições, além do reconhecimento jurídico do vínculo empregatício.

Outra ressalva que precisa ficar bem clara é que a empresa contratante deve ficar atenta na capacidade econômica da empresa prestadora de serviços a terceiro. Ela tem CNAE correto? Pague de modo correto aos salários? Têm muitas dívidas ‘rolando’ na praça? Recolhe os tributos corretamente?

Já vimos também que a empresa contratante não é a empregadora. Mas vamos reforçar esse esclarecimento, porque o trabalho realizado pelos terceirizados beneficia diretamente a empregadora.

direito do Trabalho

Portanto, se a empresa prestadora de serviços não pagar aos trabalhadores, caberá à empresa empregadora os pagamentos dos encargos trabalhistas que precisam ser feitos.

Essa responsabilidade é chamada de subsidiária e ocorrerá apenas na hipótese de a empregadora não honrar com os pagamentos referentes aos direitos trabalhistas de seus empregados. E ainda temos muitas informações importantes para serem compartilhadas com você sobre esse assunto tão atual!!

Por isso, continue acompanhando nosso blog, porque, aqui, você encontra os mais diversos temas relacionados às Áreas Trabalhista, Contábil, de Recursos Humanos e de Saúde e Segurança do Trabalho.

E para você ter mais informações detalhadas sobre terceirização e os Direitos Trabalhistas basta conferir a live sobre este assunto clicando aqui. Aproveite também e acesse o site da Nith Treinamentos e veja todos os cursos online que já temos disponíveis!

E se você não quer perder nenhuma novidade da área, fique ligado também nas nossas redes sociais, pois sempre trazemos informações recentes sobre o que está acontecendo neste período de calamidade pública no nosso país. Siga-nos no Facebook, no Instagram e se inscreva no canal da Nith Treinamentos, no Youtube

Receba conteúdos gratuitos e materiais exclusivos. Clique aqui e faça parte do Canal Oficial do Telegram, da Nith. No canal você terá acesso a aulas gratuitas, materiais para download, ebooks gratuitos, e grupo de discussão sobre Departamento Pessoal e eSocial!

 

 

 

Deixe um comentário