Receba nossas notícias em seu e-mail:

Previdência: veja quais foram as principais propostas de alteração apresentadas no Congresso

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
reforma da previdencia

Texto recebeu mais de 270 emendas; BPC e aposentadoria especial são alguns dos itens que os parlamentares querem modificar.

Foi encerrado nessa quinta-feira (30/05), às 19h, o prazo para apresentação de emendas à reforma da Previdência, que tramita na comissão especial da Câmara dos Deputados. O texto recebeu 276 propostas de mudanças, superando o número de emendas encaminhadas à proposta do ex-presidente Michel Temer,  de 164.

As principais alterações sugeridas pelos deputados dizem respeito ao Benefício de Prestação Continuada (BPC/Loas), pago aos idosos de baixa renda, além da aposentadoria de mulheres, professores, policiais e trabalhadores rurais. Também foram apresentadas propostas para retirar os servidores estaduais e municipais da reforma.

A retirada dos estados e municípios é uma das que mais preocupa a equipe econômica, que espera o apoio de governadores para conseguir os votos necessários para aprovação da reforma em plenário. Na Câmara, porém, o apoio à retirada é maciço, com 191 assinaturas. Para ser protocolada, uma emenda precisa ter no mínimo 171 assinaturas.

A bancada feminina da Câmara conseguiu protocolar as quatro emendas apresentadas, todas de autoria da deputada Dorinha Rezende (DEM-TO), que é a presidente da Secretaria da Mulher da Câmara. Entre as alterações, está a redução da idade mínima da mulher de 62 anos para 60. Também foi alterado o trecho proposto pelo governo que reduz o valor da pensão por morte para 60%, mais 10% por dependente. A emenda da bancada feminina propõe que o benefício seja mantido em 100%.

Já a bancada do PL anunciou nesta quinta-feira uma emenda global com várias modificações no texto encaminhado pelo Executivo. Entre elas, retirar da proposta os trechos que tratam do BPC, trabalhadores rurais e professores, além de tornar as regras de transição mais flexíveis tanto no regime privado quanto público. Com isso, a economia de R$ 1 trilhão seria reduzida para algo entre R$ 600 bilhões e R$ 700 bilhões, segundo estimativas do partido.

Apesar de reconhecer que o número de emendas foi alto, o deputado Marcelo Ramos (PL-AM), presidente da comissão especial, afirmou que isso não vai significar discussões mais longas na Câmara:

– Achei que iria chegar a 150 emendas. Mas mais emenda é mais democracia. São mais categorias com chances de terem suas situações debatidas – afirmou.

O relator da reforma da comissão especial, deputado Samuel Moreira (PSDB-SP), afirmou que  pode apresentar o seu parecer no fim da próxima semana ou no início da semana seguinte, entre os dias 10 e 11. Ele reiterou que o prazo final é 15 de junho, mas que vai colaborar com o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, que pretende acelerar o cronograma para votar a proposta no plenário da Casa antes do recesso de julho.

– Estamos partindo para o fechamento do relatório com todo o cuidado para que seja um bom relatório — disse o relator, após audiência pública na comissão especial.

Antes de apresentar o relatório, Moreira pretende conversar com líderes dos partidos e se reunir com as bancadas da Maioria e da oposição. Para aprovar a reforma no plenário da Câmara dos Deputados ainda no primeiro semestre, será preciso apressar a votação do relatório na comissão, diante do calendário apertado pelo feriado de Corpus Christi e festas juninas no Nordeste, na segunda quinzena de junho.

Conheça algumas das emendas

Emenda de autoria do deputado Paulo Pimenta (PT-RS) também reduz a idade mínima exigida para as servidoras mulheres, de 62 anos, como foi proposto pelo governo, para 55 anos. E aumenta o tempo mínimo de contribuição de 25 anos para 30.

Diversas emendas alteraram a base de cálculo do benefício. A proposta do governo era para que fosse considerado no cálculo 100% dos salários recebidos pelo trabalhador ao longo dos anos de contribuição. As emendas sugerem que seja mantido o percentual dos 80% maiores salários, conforme é feito atualmente.

Emenda da deputada Tereza Nelma (PSDB-AL) exclui os trabalhadores rurais da reforma da Previdência e mantém a aposentadoria rural  por idade aos 60 anos, para os homens, e 55 para as mulheres.

Proposta de alteração enviada pelo deputado Sidney Leite (PSD-AM) estabelece que os estados, o Distrito Federal e os municípios deverão aprovar regras próprias de transição dos seus regimes próprios de Previdência Social para os servidores ativos, aposentados e pensionistas.

Já emenda do deputado Túlio Gadelha (PDT-PE) muda as regras de transição. Pelo texto original, por exemplo, a pontuação (soma da idade com o tempo de contribuição) começaria em 86 para a mulher e 96 para o homem, e subiria um ponto a cada ano até chegar em 105 pontos para o homem e 100 para a mulher. A proposta do deputado é que a pontuação comece em 81 e 91 pontos, e suba um ponto a cada dois anos, até chegar a 100 para o homem e 90 para a mulher.

Tramitação

Com as emendas apresentadas, o relator da reforma da Previdência na comissão especial da Câmara, deputado Samuel Moreira (PSDB-SP), irá elaborar um parecer. Após ser finalizado, esse relatório, que é um substitutivo ao texto enviado pelo governo, será votado na comissão especial. Em seguida, é enviado ao Plenário da Câmara.

Se for aprovado pelos deputados, segue então para o Senado, onde passa pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) e pelo Plenário.

Fonte: O Globo

Deixe um comentário