Receba nossas notícias em seu e-mail:

O que você precisa para ser um Gestor do eSocial?

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
esocialtela

“A sorte não vem de fora. Nós próprios criamos nossas oportunidades.”

(Taniguchi)

O eSocial – nova obrigação acessória prevista pelo Decreto 8.373/14 com informações da área trabalhista, fiscal e previdenciária – será um divisor de águas para os profissionais que atuam na área de departamento pessoal das empresas, órgãos públicos e escritórios contábeis.

Os empregadores precisam tomar os cuidados necessários com o cumprimento da legislação vigente antes do envio de dados ao eSocial, que será um grande banco de dados onde os entes participantes – Caixa Econômica Federal, Receita Federal do Brasil, INSS e Ministério do Trabalho e Previdência Social – terão acesso praticamente em tempo real às informações do próprio empregador e de seus trabalhadores.
 
E para que esse envio de dados não deixe o empregador vulnerável a autuações e fiscalização retroativa aos últimos 5 anos, será necessário fazer a Gestão do eSocial. Quem pode ser Gestor do eSocial? A Gestão do eSocial passa pelo acompanhamento de um profissional experiente e conhecedor da legislação trabalhista, fiscal e previdenciária.
 
O eSocial é composto de 45 micro declarações. Cada uma delas com regras específicas de envio, de retificação e de exclusão. Somente com um estudo detalhado de cada uma dessas micro declarações – denominadas de “Eventos” no eSocial – e suas correlações com a legislação vigente será possível fazer o envio “inteligente”.
 
Vou citar apenas um exemplo desta correlação “inteligente”. Será necessário – logo no início do eSocial – enviar a Tabela de Cargos, onde constarão todos os cargos que a empresa utiliza. Esta tabela é relativamente simples, pois contém apenas 3 dados que certamente já está no sistema de gestão de pessoal das empresas: código interno do cargo, CBO (Classificação Brasileira de Ocupações) e o nome do cargo.
 
Partindo do pressuposto de que os dados já constam no sistema de gestão de pessoas, bastaria um “de/para”. Porém, ficam as respostas a serem dadas antes do envio da Tabela de Cargos:

  1. Será que todos os nomes de cargos estão compatíveis com a CBO?
  2. A cota de aprendizes é baseada na CBO. Na descrição de atividades da CBO – site mtecbo.gov.br – consta se tal CBO conta para a cota de aprendizes. Será que a empresa não está “mascarando” esta cota, colocando CBO de “nível superior” para cargos que seriam de nível médio e, por conseguinte, deveria contar para a cota de aprendizes?
  3. A empresa está usando a CNAE Preponderante adequada aos cargos da atividade-fim e consequentemente usando a alíquota RAT correta, conforme dispõe o artigo 72 da IN RFB 971/09?

 
Só por esta simples análise de apenas um dos 45 eventos do eSocial, percebemos que não bastará enviar os dados, mas fazer a correta análise de cada um deles.
 
E aí entra o papel do Gestor do eSocial. Um profissional experiente e que estuda a legislação trabalhista, fiscal e previdenciária a fundo, além de estudar o eSocial.
Se você já é um profissional com vasto conhecimento nas áreas citadas, agora é a hora de estudar a fundo o eSocial para ser um Gestor. O mercado de trabalho já está buscando tais profissionais, principalmente em grandes empresas e empresas de auditoria e consultorias, com salários acima do mercado. E a grande vantagem: os contratantes não pedem experiência – já que o eSocial nem entrou em vigor ainda. Mas pedem CONHECIMENTO, que é adquirido com o estudo da documentação técnica, livros, cursos e troca de informações.
 
Mesmo com o início do eSocial tendo sido protelado para 2018, quem deixar para a última hora corre o risco de não ter tempo suficiente de estudar todas as correlações necessárias e enviar dados que deixarão o empregador na iminência de uma autuação ou fiscalização retroativa.
 
Cadastre-se para receber mais informações sobre as novas profissões de Gestor e Auditor do eSocial, clicando aqui.
 
E agora você pode ver o eSocial de duas formas: como uma ameaça ou como uma oportunidade. E ele será sim, as duas coisas. Porém, para quem estudar a fundo será apenas uma oportunidade, talvez aquela que você estava aguardando há tanto tempo. Vai ficar de fora ou vai começar a estudar?
 
Um abraço, fique com Deus e até breve.

Deixe um comentário