Receba nossas notícias em seu e-mail:

Mais de 850 mil benefícios do INSS podem estar sendo pagos a pessoas que já morreram

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
benefícios INSS
Dos três milhões de benefícios do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) com suspeita de fraude que serão alvo do pente-fino previsto na Medida Provisória (MP) 871, 858 mil podem estar sendo pagos a pessoas que já morreram, segundo informações do órgão.

Para evitar esse tipo de pagamento indevido, o INSS começou a bloquear nesta segunda-feira (dia 25), os pagamentos de março dos beneficiários que estão há mais de 12 meses sem realizar prova de vida.

O instituto informou que 2,179 milhões de beneficiários ainda não comprovaram vida, de acordo com a folha de pagamento de fevereiro de 2019, e por isso são passíveis de bloqueio, caso não realizem o procedimento. Desse total, 529 mil devem ter o benefício suspenso já na competência de março, ou seja, cujo depósito ocorre entre os dias 25 de março e 5 de abril.

“Vale reforçar, contudo, que tão logo o segurado faça o procedimento de prova de vida no banco, o benefício é automaticamente desbloqueado”, ressaltou o INSS, em nota.

Para fazer a atualização cadastral, o beneficiário precisa ir até a sua agência bancária levando um documento com foto. Alguns bancos realizam o procedimento por meio da biometria. Nestes casos, não há necessidade de apresentar identificação oficial.

A MP 871 prevê ainda a possibilidade de agendamento da prova de vida. O procedimento foi regulamentado pelo instituto por meio de uma resolução publicada nesta segunda-feira, dia 26. A norma permite que o segurado com 60 anos ou mais realize a prova de vida nas próprias agências da Previdência.

“Esta será mais uma opção, mas não exclui a possibilidade de este segurado realizar a prova de vida no banco”, explica a nota.

No caso de impossibilidade de o beneficiário ir até a agência bancária, seja por motivo de doença, dificuldade de locomoção ou por morar no exterior, o procedimento pode ser realizado por um procurador devidamente cadastrado no INSS ou um representante legal.

Neste caso, o procurador deve comparecer a uma agência da Previdência Social, com uma procuração registrada em cartório e apresentar o atestado médico que comprove a impossibilidade de locomoção do beneficiário, além dos documentos de identificação do representante.

Fonte: Jornal Extra

 

Deixe um comentário