Receba nossas notícias em seu e-mail:

Coronavírus: MP 936/2020: liberado acordo individual para corte de salário e jornada de trabalho

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
medida provisória

ESTÁ SEM TEMPO? BAIXE AQUI O ARTIGO PARA LER DEPOIS

Na última segunda-feira (13), o Supremo Tribunal Federal emitiu um parecer sobre a ação direta de inconstitucionalidade 6363 sobre os acordos individuais de empresas para cortar salários e jornada previstos da MP 936/2020.

O ministro Ricardo Lewandowski decidiu pela validade dos acordos individuais entre trabalhadores e empresas.

MP 936/2020

É importante lembrar que, no dia 6 de abril, o magistrado tinha decidido que os sindicatos deveriam ser comunicados do acordo e poderiam iniciar negociação coletiva caso preferissem.

O texto original da MP previa a comunicação do acordo para a respectiva entidade de classe em dez dias, mas não dava poder para a tratativa ser barrada ou alterada.

Decisão do STF

Na decisão do dia 13, o ministro manteve o entendimento de que a entidade de classe tem o poder de invalidar o acordo individual após ser comunicada, mas esclareceu que o acordo passa a valer assim que for assinado.

medida provisória

No texto, Lewandowski esclarece:

“Esclareço, para afastar quaisquer dúvidas, e sem que tal implique em modificação da decisão embargada, que são válidos e legítimos os acordos individuais celebrados na forma da MP 936/2020, os quais produzem efeitos imediatos”.

Validade de acordos individuais

De acordo com a decisão do Supremo Tribunal Federal, as empresas podem fazer o acordo individual, mas, mesmo assim, será necessário o aval da entidade de classe da respectiva categoria.

Somado a isso como parte da decisão, o texto trata ainda sobre os prazos que o sindicato tem para dar resposta ao documento enviado pela empresa à entidade de classe.

Para ficar mais simples o entendimento, vamos explicar aqui um passo a passo das regras de comunicação. Vamos lá!

Em caso da empresa que opta pelo acordo para a redução de jornada ou suspensão do trabalho, a comunicação deve ser feita ao sindicado no prazo de 10 dias, como já previa a MP.

Após isso, a entidade tem o prazo de 4 dias para se pronunciar a favor ou contra a tratativa individual. Inicialmente, esse prazo era de 8 dias, mas o STF decidiu pela redução do tempo determinado para a resposta estipulado pela Medida Provisória.

Caso a entidade não se manifeste nesse período, a empresa deverá comunicar a Federação, que também tem 4 dias para emitir um parecer.

Se não houver uma resposta, a empresa então deverá acionar a Confederação que, por sua vez, também tem 4 dias para responder à empresa. Se não houver manifestações de nenhuma das entidades, o acordo será validado.

No caso do sindicato se manifestar com decisão contraria à tratativa individual, prevalecerá o acordo coletivo.

Processo trabalhista no futuro

suspensão contrato trabalho 2

É extremamente importante que todas essas etapas sejam seguidas para que a empresa não enfrente problemas jurídicos no futuro ou que o acordo seja anulado.

Porém, vale ressaltar que tudo ainda é muito inseguro, por isso, então é possível garantir que no futuro as empresas não venham a ser acionado judicialmente pelo funcionário.

Por isso, caso a empresa opte pelo acordo, é sempre bom deixar claro aos empregadores toda essa instabilidade que estamos vivendo nesse momento de calamidade pública por conta do novo coronavírus.

Relembre as regras da Medida Provisória 936/2020

O chamado Programa Emergencial da Manutenção do Emprego e Renda estabelecido pela Medida Provisória será aplicado em duas situações.

A primeira envolve os estabelecimentos que estão impossibilitados de manter as suas atividades e foram obrigados a suspender as atividades. A segunda são estabelecimentos que podem manter a continuidade dos serviços conforme legislação federal, estadual ou municipal.

Nesse segundo caso, pode ser aplicado a redução da jornada de trabalho com a diminuição do salário, tendo em vista a queda da demanda.

De acordo com a MP 936/2020, o empregador poderá fazer um acordo com o empregado, por meio de negociações individuais ou coletivas, a suspensão do contrato de trabalho por até 60 dias.

O empregador poderá firmar um acordo para a redução proporcional da jornada de trabalho por até três meses, com diminuição do salário proporcionalmente.

Sendo assim, o governo bancará o restante do salário com base nas regras do seguro-desemprego a que o trabalhador teria direito. A empresa que adotar a redução ou a suspensão temporária da jornada de trabalho deverá comunicar o Sindicado da classe e o Ministério da Economia, no prazo de 10 dias contados da data da celebração do acordo.

Além de comunicar o Governo Federal, a empresa terá até 2 dias para comunicar de forma oficial o empregado.

Na nossa live, a professora Débora Ignácio esclarece muitas outras dúvidas. Por isso, não deixe de assistir nesse link para conferir todos os detalhes da decisão do STF.

Fique atento também às nossas redes sociais, pois trazemos sempre novidades sobre o que está acontecendo neste período de calamidade pública no nosso país.

Siga nossas páginas no Facebook e no Instagram e aproveite para acessar o site da Nith Treinamentos e confira todos os nossos cursos online, que já estão disponíveis.

Receba consultoria de DP e eSocial de forma totalmente gratuita até o dia 30 de abril.

Além da consultoria gratuita, aproveite a oferta de lançamento da Consultoria Online em DP e eSocial.

Faça parte do Grupo Telegram ➤ https://bit.ly/consultoriaDPeSocialGratuita

Não sabe como instalar o telegram?

Aprenda neste vídeo ➤ https://youtu.be/BfGKoGHIAQ8

Aplicativo para Google Play ➤ https://bit.ly/googleplay-telegram

Aplicativo para Apple Store ➤ https://bit.ly/applestore-telegram

Deixe um comentário