Contabilidade aposta na modernização para seguir valorizada

É muito comum que datas comemorativas, como o aniversário e o Natal, sejam momentos de reflexão, usados para se fazer um balanço do ano que passou, das conquistas e dos sonhos e objetivos a serem perseguidos no futuro. O mesmo pode se aplicar à data dedicada a uma categoria.

Este pode ser o momento perfeito para avaliar seu negócio, seu grau de qualificação e que mudanças mais têm impactado na área.

O Dia do Contador, celebrado em 22 de setembro, é um desses momentos – uma oportunidade para se debruçar sobre a realidade da profissão e para comemorar avanços importantes dos últimos anos.

Quando questionados sobre as conquistas relevantes, uma resposta é unânime e motivo de orgulho para a categoria: a maior valorização profissional. A mudança na imagem do contador de um mero guarda-livros para um gestor financeiro e fiscal indispensável à saúde dos negócios e do fluxo de caixa de pessoas físicas foi muito perseguida. E agora parece ter sido finalmente alcançada.

Professor SA

O vice-presidente de Relações Institucionais do Conselho Regional de Contabilidade do Estado (CRCRS), contador Celso Luft, o Dia do Contador deve ser comemorado por toda a evolução que a profissão conquistou no mercado. “Tanto nas empresas quanto entre a população em geral, o contador se tornou mais valorizado e capacitado para atender às necessidades dos clientes”, diz Luft.

Professor SA

A última década foi marcada por fatos importantes para essa mudança de paradigma. Algumas delas foram impulsionadas pela grande crise econômica global (com início em 2008) e uma consequente responsabilização da classe contábil pela falta de transparência nas demonstrações de empresas à beira do colapso, a adoção no Brasil das normas internacionais de contabilidade (IFRS) e a cobrança por maior transparência no setor público e privado exacerbada após as dificuldades econômicas e políticas vividas no País.

Há três anos, as obrigações acessórias eram apontadas pelas entidades representativas da classe contábil como os principais entraves para a chegada das Ciências Contábeis a um outro patamar. Ao longo de décadas, as principais mudanças no mundo da contabilidade eram associadas às mudanças na legislação. Os processos e cálculos eram ajustados a cada mudança de alíquota ou pela criação de novos tributos, mas a troca de informações com os clientes e os órgãos arrecadadores eram feitas da mesma forma. Isso foi a regra até a explosão da informática e das comunicações. Agora, os escritórios contábeis estão frente ao mesmo desafio de outras indústrias: como se adaptar às novas exigências digitais que chegaram com tanta velocidade.

Muitos ainda veem as novas ferramentas tecnológicas como possíveis vilões. Mas as novas tecnologias vieram, inclusive, para diminuir a dificuldade em manter-se em conformidade com as exigências fiscais e facilitar o cumprimento das exigências do Fisco. Elas liberaram os profissionais para se dedicarem ao tratamento das informações geradas, porém, paralelamente, vêm impondo o desafio de realmente tornar os dados gerados relevantes.

O desafio é realmente não encarar os robôs, softwares, sistemas informatizados como concorrentes, mas como aliados, dizem os especialistas. Este deve ser o pulo do gato e o grande desafio da contabilidade no futuro.

De acordo com a pesquisa da Thomson Reuters e Live University, 61% dos entrevistados preferem profissionais com pouca atuação na área tributária, mas bastante conhecimento em tecnologia e inovação – uma tendência que vem ocorrendo em todas as áreas e segmentos. De acordo com Luft, isso é prova de que o profissional deve se tornar “mais um analista de sistemas e de dados e menos um digitador das informações para o Fisco”.

O presidente do Sindicato das Empresas Contábeis do Rio Grande do Sul (Sescon/RS), Célio Levandovski, complementa que é hora de “atender o cliente e não o governo”. Para o empresário contábil é momento de fazer menos o operacional e mais a gestão, qualificando o serviço oferecido.

Na área de finanças, em especial no setor tributário, o uso da Inteligência Artificial vem se tornado cada vez mais fundamental para eliminar os erros manuais, aumentar a produtividade e tornar o negócio mais estratégico. Essa eficiência é decisiva no Brasil, onde são gastas 1.958 horas por ano para atender todas as obrigações fiscais, de acordo com o Banco Mundial.

Pesquisa realizada pela Thomson Reuters em parceria com a Live University, aponta que 56% das empresas brasileiras pretendem utilizar Inteligência Artificial para otimizar a gestão de tributos. Quando o debate é sobre qual tecnologia é mais funcional para o setor, 61% dos profissionais apontam o Machine Learning como a inovação mais capaz de beneficiar o segmento; 31% apostam no Data Science e 10% preferem os chatbots.

Essas tecnologias reunidas devem revolucionar diversas áreas. No caso do setor tributário, pode-se ver em curto prazo uma espécie de humanização do trabalho – ironicamente proporcionado pelos robôs – com a eliminação das atividades burocráticas e rotineiras que demandam muito tempo.

Além da tecnologia, o avanço da desburocratização também é um alento aos profissionais contábeis. O presidente da Federação Nacional das Empresas de Serviços Contábeis (Fenacon), Sérgio Approbato Machado Júnior, destaca que a entidade tem se dedicado para contribuir com o governo em busca de avanços nessa área de acordo com as necessidades do setor contábil.

“Um passo importante a ser dado, e de forma urgente, é a inovação dos processos excessivamente burocráticos. A ideia é dirimir os entraves e as dificuldades que o excesso de burocracia causa na gestão de uma empresa”, ressalta Machado Júnior. Levandovski também espera que a minimização da burocracia no Brasil contribua para que o novo perfil profissional ganhe espaço.

Existe mercado para diferentes tipos de serviços prestados

Um assunto recorrente nas rodas de empresários contábeis é a preocupação com a competição com as empresas de contabilidade digital, que oferecem serviços mais baratos e menos personalizados e vem abocanhando uma grande fatia de mercado.

A migração de clientes dos escritórios físicos já é sentida pelos empresários gaúchos, mas o presidente do Sescon/RS, Célio Levandovski, tranquiliza aqueles mais alarmados. Ele garante que o mercado tem espaço para todos.

Segundo Levandovski, a contabilidade digital pode ser útil para aquela empresa que não precisa contar com o apoio do contador como auxiliar da gestão – “o que na verdade serve apenas para uma minoria”. Essa espécie de competição com um modelo de serviço oferecido em ambiente digital e com as novas tecnologias capazes de importar dados gerados pelos clientes e manuseá-los, está forçando as empresas tradicionais de contabilidade a ir além, destaca o também empresário contábil.

Uma das empresas de contabilidade digital que mais têm despontado no País é fintech Contabilizei. Este ano, a startup foi incluída na lista Linkedin Top Startups, que reuniu as 25 jovens empresas de destaque onde os brasileiros querem trabalhar atualmente.

Recentemente, a empresa com sede em Curitiba recebeu investimento de R$ 75 milhões da Point72 Ventures, fundo de capital de risco do bilionário norte-americano americano Steve Cohen. Foi o primeiro investimento em startup do grupo no Brasil. Disponível em mais de 30 cidades em todo o Brasil, incluindo as principais capitais, a empresa foi fundada em 2013 pelo empresário Vitor Torres e tem mais de 5 mil clientes em todo Brasil.

A companhia desenvolveu sistema que permite que a contabilidade de empresas com até 20 funcionários seja feita a partir da internet. Para isso, ela investe em sistemas de automação que agilizam o cálculo de imposto a pagar e o preenchimento de declarações obrigatórias, explica o fundador e presidente da empresa, Vitor Torres. “A contabilidade foi feita por muito tempo da mesma forma, o governo nunca facilitou para o empresário e para o contador. Automatizamos tudo o que é operacional, que ocupa quase 100% do tempo do profissional”, explica Torres.

Contudo, Levandovski garante que os escritórios contábeis já existentes que forem além do serviço tradicional e criarem um vínculo com os clientes terão um diferencial em relação às empresas online e devem sobreviver. “O segredo é para um pouco na correria do dia a dia, valorar o serviço prestado, buscar qualificação e manter-se em contato com o cliente, ajudando no gerenciamento das suas contas”, indica Levandovski, que também mantém um escritório em atuação há anos em Porto Alegre.

Para ele, o escritório físico tem entre as suas principais qualidades o olho no olho com o cliente, a adequação do serviço ao que o cliente realmente precisa e a divisão da responsabilidade sobre as informações prestadas e pagamentos feitos ao Fisco com o profissional contábil. Caberá aos clientes fazer a escolha do serviço que mais se enquadra nas suas necessidades.

Contadores precisam dar atenção à saúde do próprio negócio

Além de se dedicarem aos negócios dos seus clientes, os contadores devem pensar sobre a qualidade do serviço que estão oferecendo, seu modelo de negócios e como tornar-se mais competitivo e qualificado.

O contador e vice-presidente do CRCRS, Celso Luft, garante que o mercado segue aquecido para os contadores. “O crescimento da necessidade de implementação de ferramentas de transparência e resposta às exigências do mercado e da população pressionou o contador a entregar as demonstrações contábeis de forma mais transparente para o cliente e para a sociedade”, recorda Luft, salientando a necessidade de qualificação do trabalho prestado para se manter em operação.

Estimular a reflexão em torno desses pontos é um dos focos do Grupo de Gestão do Sescon/RS, criado este ano. O novo fórum foi criado para troca de ideias e promoção do debate sobre assuntos ligados ao empreendedorismo. O objetivo é trazer novidades, compartilhar conhecimentos e dar um novo olhar ao empreendedorismo contábil, desligando um pouco dos assuntos técnicos e legais.

O ideal, diz o presidente do Sescon/RS, é que a avaliação e planejamento sejam feitos por cada empresário ou contador de acordo com seus objetivos e com o mercado em que estão inseridos. “Talvez um caminho seja adequar o tipo e número de clientes e tamanho do negócio à realidade. No meu caso, por exemplo, em um momento tive que decidir por atender apenas pessoas físicas e prestadores de serviços e por manter um escritório com poucos funcionários. O tipo de serviço que presto, de relação que mantenho com meus clientes e o estilo de vida que adotei funciona desse jeito”, determina Levandovski.

Fonte: Jornal do Comércio RS

Torne-se um profissional de alta performance! 

O papel do auxiliar contábil deixou de ser apenas o simples lançamento de dados e o acompanhamento dos procedimentos contábeis, para se transformar na ATIVIDADE VITAL dentro da rotina dos escritórios e empresas, tornando seu suporte, uma FERRAMENTA IMPORTANTE. 

A área contábil está entre as que têm crescido rapidamente nos últimos anos. Esse crescimento se deve tanto em virtude das inúmeras mudanças na legislação, ao aumento da fiscalização da Receita Federal, quanto como resultado de novos empreendimentos, como os de microempreendedores individuais e startups. 

Exatamente por isso, a Formação de Auxiliar Contábil é a pedida certa para quem quer se qualificar, se destacar ou conseguir uma recolocação no mercado de trabalho! 

Nesta formação você irá adquirir os conhecimentos práticos e teóricos para DOMINAR a rotina contábil de qualquer empresa ou escritório de contabilidade, de pequeno, médio ou grande porte. 

Você poderá trabalhar como assistente contábil, auxiliando o Contador em Escritórios de Contabilidade, departamento de Contabilidade de empresas e outros estabelecimentos que tenha necessidade deste profissional. 

Clique aqui e garanta sua vaga na Formação de Auxiliar Contábil! 

Torne-se um Auxiliar Contábil de alta performance, amplie seu conhecimento e suas oportunidades no mercado de trabalho! 

Marileisa Gonçalves

Há 8 anos na área de departamento pessoal, atua como Analista de Conteúdo na Nith Treinamentos. Marileisa é Bacharel em Administração pela Univali e Especialista em eSocial pela Nith Treinamentos. Apaixonada por compartilhar conhecimentos e informações sobre a área trabalhista, dedica seu tempo em procurar o que há de mais novo para te entregar em primeira mão.

Deixe uma resposta

Fechar Menu