Receba nossas notícias em seu e-mail:

Bolsonaro quer tabela do Imposto de Renda corrigida pela inflação em 2020

Compartilhe essa notícia

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp

O presidente Jair Bolsonaro afirmou neste domingo (12) que o governo vai corrigir a tabela do imposto de renda do ano que vem pela inflação.

“Hoje em dia o imposto de renda é um redutor de renda. Eu falei com o [ministro da Economia] Paulo Guedes que este ano, no mínimo temos que corrigir de acordo com a inflação, a tabela do ano que vem”, declarou Bolsonaro, em entrevista ao programa do jornalista Milton Neves, da Rádio Bandeirantes.

Bolsonaro disse que passou a Guedes a orientação para que, “se possível”, também se amplie o limite de dedução que os contribuintes podem ter com gastos de educação e saúde.

“É a orientação que eu dei para ele. Quero que ele cumpra. Orientação não é ordem, mas pelo menos corrigir o imposto de renda pela inflação, isso com certeza vai sair”, afirmou o presidente.

Em um estudo de janeiro deste ano, o Sindifisco (Sindicato Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal do Brasil) calculou que, desde 1996, a defasagem média acumulada na tabela do imposto de renda é de 95,46%.

“A não correção da Tabela do IR pelo índice de inflação faz com que o contribuinte pague mais imposto de renda do que pagava no ano anterior”, justificou o Sindifisco, em seu estudo.

Bolsonaro fala sobre reforma da previdência e combustíveis

Na entrevista deste domingo, Bolsonaro tratou ainda da reforma da Previdência, principal prioridade da equipe econômica comandada por Guedes. Segundo ele, a mudança no sistema de aposentadorias é “a grande vacina” que o Brasil precisa no momento.

Ainda na pauta econômica, Bolsonaro defendeu medidas na área de combustíveis. Após reafirmar que “não tem ingerência” na política de preços da Petrobras, o presidente defendeu que os usineiros possam vender etanol diretamente para os postos de gasolina, sem a necessidade de intermediação de uma distribuidora.

Segundo Bolsonaro, isso pode diminuir o preço do litro do etanol em 20 centavos, aumentando a competitividade desse combustível em relação a gasolina.

“Se agirmos com racionalidade, temos como buscar soluções para o nossos problemas”, concluiu o presidente.

Fonte: NSC

Deixe um comentário